terça-feira, junho 26, 2007

Não dá para entender!

Cada vez entendo menos esta sociedade. Agora, não há taxas moderadoras para as mulheres que querem fazer um aborto voluntariamente! Compreendo que não haja em casos de risco de vida. Aí estamos perante situações delicadas. Mas, nos outros, em que a mulher aborta voluntariamente, sem estar a correr qualquer risco?

Não consigo compreender uma lei destas ao olhar para situações como as que vi há pouco tempo num hospital público e central. Uma senhora precisava de um determinado medicamento e só o teve, porque a filha o foi buscar a uma farmácia fora daquela unidade de saúde. Já para não falar que não há comparticipação em muitos medicamentos ou, pelo menos, não há a devida comparticipação. Quer dizer, para se fazer uma TAC, o pedido tem de ir para o director do centro de saúde, e só depois de ele aprovar é que podemos fazer o exame, e nestes casos facilita-se tudo. Por favor, uma coisa é uma mulher em risco de vida e que precisa mesmo de abortar, outra coisa é uma mulher que vai abortar porque quer pensar primeiro na carreira! Aí a escolha é dela. Não está em risco de vida, para ter estas regalias que deviam ser dadas a doentes que estão mesmo com falta de saúde. Isto não faz sentido nenhum!

5 comentários:

Demo disse...

Olá Maria João
Este país que temos não é para perceber... é para irmos percebendo.
Apenas a titulo de comentário sobre o post anterior... desconheço a literatura citada, as minhas serão outras, mas direi apenas que a biblia não é um livro... mas sim uma colectânea de textos escolhidos por conveniência depois de censurados, corrigidos e alterados...
Fica bem.

malu disse...

Não se entende Maria João, é para se engolir, a seco e sem perguntar. É revoltante. Perdeu-se a noção completa dos valores e nisto, onde ver-se democracia?

Bjinho.

joaquim disse...

Carissima Maria João
Tens toda a razão!
Parece-me no entanto, que mais uma vez os portugueses estão muito passivos, deixando-se dominar por uma minoria, (que é maioria na Assembleia), que vai contra tudo aquilo que é o sentir dos portugueses.
Acho que é tempo também da nossa Igreja falar e denunciar os ataques constantes à vida humana e aos direitos de cada mulher de cada homem.
Estou profundamente desiludido com o presidente da república: afinal é um entre tantos.
Temos de lutar para o bem dos que hão-de vir.
Quandp penso nesta europa e nas leis que vão fazendo só me vem ao pensamento: «de "vitória" em "vitória" até à derrota final...da vida.»
Abraço em Cristo

Fontez disse...

gostei dos livros que escolheste no post anterior.
acerca deste, enfim, ...
a politica tem das suas...!

Fontez disse...

bjsss dear e bom fds.