quarta-feira, janeiro 10, 2018

Tens medo do amor?



Será que podemos ter medo – mesmo que de forma inconsciente – do Amor? Pode parecer uma pergunta estúpida, mas não é.

Por mais que desejemos amar e ser amados, há experiências do passado, mágoas e feridas que nos deixam acorrentados e nos impedem de amar o marido/esposa, filhos, amigos... Muitas vezes construímos um muro em torno de tudo o que seja amor, com pavor que nos voltem a dececionar, que nos voltem a magoar. Vamos dizendo que “assim está tudo bem”, “é melhor assim”, “Deus lá sabe, se calhar tem de ser assim”…

Até que um dia acordamos e vemos que a vida não foi vivida, a missão que Deus tinha para nós foi enterrada, juntamente com a nossa vida e a vida de outras pessoas … E vemos que omitimos muitos gestos de carinho, como um beijo, um abraço ou um sorriso...


É assustador deixar estas correntes do passado, porque a dor da mágoa é muito forte? Se é assustador, tem calma, entrega todas as angústias a Jesus e pede-Lhe o Espírito Santo. Não tenhas vergonha de mostrar os teus medos, as tuas misérias e deixa-O curar essas feridas, porque Jesus só quer uma coisa para ti… vida e vida em abundância (Jo 10, 10). 

quinta-feira, janeiro 04, 2018

No último dia vais dizer que viste Jesus nos mais pequeninos?





E se hoje fosse o teu último dia neste mundo? Ao olhar para trás, o que fica?

Sei que pode parecer assustador pensar no nosso fim, mesmo para nós, cristãos, que acreditamos na Vida Eterna. A nossa imperfeição leva-nos a ter medo da morte ou, pelo menos, do sofrimento que a mesma nos pode trazer.

Mas é bom fazer este exercício, para meditarmos sobre as nossas escolhas, sobre aquilo em que temos apostado na vida. Será que tudo tem valido a pena? Será que estou a lutar pelo que é mais importante?

Mesmo o cristão, que acredita na Vida Eterna, acaba muitas vezes por se agarrar a coisas demasiado supérfluas, correndo o risco de chegar ao fim da vida neste mundo sem ter amado o suficiente, sem ter descoberto Jesus…

Ao chegarmos ao final da vida devíamos todos dizer como S. Paulo: “Combati o bom combate, terminei a corrida, permaneci fiel!” 2 Tm 4, 7 

Devíamos olhar para Mt 25, 31-46 e dizer: “Sim, eu vesti, dei de comer, visitei Jesus nos mais pequeninos!”

Hoje, posso dizer que venci o bom combate e que vi Jesus nos outros? 


quarta-feira, dezembro 27, 2017

Será que neste Natal as filhós foram mais importantes do que Jesus?



Domingo, dia de Natal. A Igreja enche no dia em que revivemos o nascimento de Jesus. O coro canta “Alegremo-nos, nasceu Jesus”.

Mas será que nos alegramos? Ou estamos ansiosos para cumprir apenas um preceito de ir à Missa no dia de Natal, esquecendo-nos que a Missa é Amor, é o encontro com Deus Vivo?

A verdade é que, no dia de Natal, estamos muitas vezes a desejar que a Missa acabe depressa, porque temos de acabar o almoço, de fazer as últimas filhós, de embrulhar a última prenda…

Tal como Marta (Lc 10, 38-41), não paramos para escutar e adorar o Menino Jesus! É ridículo, mas a verdade é que estamos mais preocupados com os que nos esperam em casa – para comer e beber – do que com Jesus que morreu por nós…


Será que neste Natal as filhós foram mais importantes do que Jesus? 

quarta-feira, novembro 29, 2017

Aguenta-se tudo, menos na Missa …




Na Missa tudo serve para nos distrair. É o calor, o frio, a criança que chora, a pronúncia do padre, o coro que não canta muito bem… Tudo é desculpa para não estarmos atentos à Palavra e para nos esquecermos que estamos a celebrar o principal sacramento.

Mas, já pensaste, quando vais aos saldos nada te incomoda. Ou por outro, incomoda-te, mas o que queres mesmo é comprar a blusa e as calças que já viste há umas semanas na montra. Aguentas tudo, não é verdade?

O mesmo acontece se estiveres na fila de trânsito para ires para a praia ou para ires ver o último filme do teu ator preferido…

Então por que não tens também esta resiliência na Missa? Nos saldos, na praia ou no cinema recebes bens materiais que vão desaparecer, na Missa recebes Jesus, a Vida Eterna …

Lembra-te:
«Não acumuleis tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem os corroem e os ladrões arrombam os muros, a fim de os roubar. Acumulai tesouros no Céu, onde a traça e a ferrugem não corroem e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois, onde estiver o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” Mt 6, 19-20

Lembra-te também das palavras do Papa Francisco:
“Quando entramos na igreja para celebrar a Missa pensemos nisto: entro no calvário, onde Jesus dá a sua vida por mim (…) E assim desaparece o espetáculo, desaparece a conversa, os comentários e essas coisas que nos afastam desta coisa tão bela que é a Missa, o triunfo de Jesus.” 


quinta-feira, novembro 23, 2017

Jesus não te disse que ia ser fácil …




“No mundo, tereis tribulações; mas, tende confiança: Eu já venci o mundo!” Jo 16, 33


Esta passagem é a resposta a quem diz: “Mas és tão crente e continuas a ter problemas?” Amar a Cristo, ser cristão não nos livra do sofrimento e da dor. Jesus podia ter-se livrado da cruz, mas não o fez. E avisou-nos que a vida não seria fácil.

Estamos neste mundo imperfeito, por isso sofremos, temos dores, choramos, perdemos os nossos entes queridos, ficamos doentes…

De que vale a pena, então, ser-se cristão? Vale muito, porque significa caminhar para a vida eterna, para a vida plena no amor de Deus! Vale muito, porque significa que, mesmo no meio da maior tempestade desta vida, Jesus caminha pelas águas e nos dá a mão! Vale a pena, porque descobres e vives o verdadeiro amor, aquele que só Deus pode dar!


Mas … para Ele nos dar a mão é preciso construir a casa na rocha. Aí até podemos abanar, mas temos a certeza que a casa não vai ser destruída! Mt 7, 24-27 
Porque Jesus JÁ venceu o mundo!

sexta-feira, novembro 17, 2017

A cruz da missão do leigo é esta: o stress, a correria …



Como mãe e filha, passo a vida a correr. Sendo a única a trabalhar, tenho dias que o cansaço fala mais alto. São os atrasos nos transportes, o filho que adoece, a mãe que adoece, a crise de estômago, a roupa para lavar, a limpeza, a comida, o ordenado que só dá para pagar contas …

Os dias correm velozes, mal saboreamos o ar que respiramos, quanto mais as coisas belas que Deus nos coloca no caminho…

Mas é nisto que queremos mudar se queremos mesmo ser cristãos. A missão não é apenas para os consagrados e para quem parte para outras terras, é para todos. E, tal como os consagrados, a cruz do leigo é esta: o stress, a correria, a tentação de mergulhar neste mundo superficial, esquecendo Jesus nos muitos afazeres do dia.

Os dias são cheios de stress e de mil e uma responsabilidades, mas também estão cheios de momentos para orar. Não é fácil, mas peçamos a Jesus que nos dê a graça desta oração contemplativa em ação.

Aproveitemos os transportes ou a fila de trânsito para ler a Palavra de Deus, para rezar o terço, para estar em silêncio, para escutar Jesus… Entreguemos cada gesto a Ele, mesmo aqueles que são menos perfeitos.

Quando estamos cansados e nos apetece chorar, entreguemo-nos assim a Jesus. Ele aceita-nos como somos. Se não te apetece falar, não fales e diz: “Jesus, não me apetece dizer nada, mas sei que estás aqui comigo! Obrigada.”

Não nos deixemos levar pela tentação do “não tenho tempo”, “está muito barulho e confusão”, “não sou consagrada, basta ir à Missa e rezar um Pai-Nosso de vez em quando”…

Jesus morreu na cruz por ti! Não O abandonemos nesta missão de leigos! Ele não merece!


quinta-feira, novembro 16, 2017

Dá-nos, Jesus, momentos de oração!





Mais que uma vez, os Evangelhos mostram-nos Jesus a deixar, por momentos, os seus discípulos para ir orar. Estar com o Pai, falar com Ele, estar em silêncio eram práticas comuns na vida de Jesus, apesar de toda a agitação e de tantos pedidos de ajuda.

Cada um de nós devia fazer o mesmo. Todos os dias devíamos parar e orar. Mas, com tantas solicitações, como o podemos fazer? É o trabalho, os filhos, fazer a comida, passar a ferro, ir buscar o pão…


Fiz esta pergunta vezes sem conta e cheguei a uma conclusão: pedir a Jesus para nos dar este tempo, que é uma graça. Quantas vezes estivemos apenas 5 minutos em oração e soube como se fosse 1 hora? Pois bem, mesmo que sejam apenas minutos, se forem dados por Ele, vão saber a horas de paz e conforto! J

“Senhor, ensina-nos a orar!” (Lc 11, 1)