domingo, março 25, 2007

O melhor é não julgares os outros

Um dia, um pai com o filho de onze anos e um burro decidiram ir ao mercado. Mas, para lá chegarem, deviam atravessar quatro aldeias. O pai disse ao filho:

- Monta no burro, que eu vou a pé.

Passaram pela primeira aldeia, e as pessoas, vendo-os, começaram a murmurar:

- Vede, já ninguém se entende:o filho que é mais novo vai no burro, e o pai, pobrezito, vai a pé.

O homem ouviu e disse ao filho:

- Estas pessoas dizem mal de nós. Eu monto o burro e tu vais a pé.

Assim fizeram. Passaram pela segunda aldeia e ouviram as pessoas dizer:

- Ora vejam lá: o pai montado no burro e o filho a pé!

Então decidiram ir os dois montados no burro. Mas, ao passarem pela terceira aldeia, as pessoas murmuravam, dizendo:

- Pobre burro, com todo aquele peso! Já não há respeito pelos animais!

Desceram ambos do burro e foram a pé. Ao passarem pela quarta aldeia começaram a ouvir piadas:

- Que idiotas! Têm burro e vão a pé!

O pai e o filho olharam um para o outro e concluíram que seriam sempre criticados, fosse qual fosse o modo como se comportassem.



Li esta estória na Liturgia Diária. Quantas vezes somos o homem e o filho? E quantas vezes somos as pessoas das aldeias?

6 comentários:

Paulo de Tarso disse...

Olá Maria João,
venho agradecer as orações e tb esta história... já muito conhecida, mas hoje fez-me bem. Obrigada.
Vemo-nos por aí

silvino disse...

uma boa prova de que os contos mais simples são também os mais profundos ^^

Paulo disse...

Nem mesmo Jesus agradou a todos, quanto mais nós humanos e mortais.

Danilo disse...

E quantas vezes somos o burro!!

Pe. Vítor Magalhães disse...

Sim, já conhecia, é bom lembrar!

Doce Deleite disse...

É sempre isso que acontece como damos ouvidos à opinião alheia.
Antes obedecermos a Deus que aos homens.

Um abraço.