quinta-feira, março 15, 2007

Eu creio por amor... não por medo

Costumo conversar várias vezes sobre religião com pessoas que se acham ateias e agnósticas.
E uma das coisas que mais me marca é a ideia feita de que quem acredita em Deus fá-lo por medo. Ou tem medo do Inferno, ou do castigo divino, ou de não conseguir que Deus não lhe dê o que mais quer...

Compreendo a razão de me dizerem isto. Durante muitos anos, a Igreja transmitiu muito a imagem do Inferno e do castigo, assim como outras religiões. Aliás, ainda hoje temos pessoas que vivem a Fé de uma maneira que parece que Deus está com o chicote à espera da mínima falha. Proliferam também por aí muitas religiões que transmitem esta imagem errada de Deus.

Enfim, erros e imagens deturpadas há-de haver sempre. Mas, isso não me impede de dizer que esta imagem de adoração a Deus não faz sentido. Deus não é assim. Ele é Amor e Misericórdia. Jesus Cristo mostrou isso. Ele vivia a pensar nos outros. E era homem. Sofria como todos nós, apesar da Sua condição Divina.

Aliás, há muitas pessoas crentes que vivem o seu dia-a-dia para Deus, vivendo para os outros. Quantos missionários não se deslocam para terras distantes, passando pelas mais variadas dificuldades, para ajudarem quem mais precisa? Ou mesmo no nosso país. Estou a falar de sacerdotes, religiosos e leigos. Todas estas pessoas professam a Fé em Deus e seguem o exemplo de Amor e Misericórdia deixado por Jesus Cristo.

Só quero deixar isto bem claro. Erros das religiões, erros de crentes sempre haverá. Somos seres humanos que erramos. Não é por isto que vou justificar muitas atrocidades que têm sido cometidas em nome de Deus. Obviamente! Só quero dizer que quando acreditamos de verdade, acreditamos por que amamos a Deus e ao próximo. Não por termos medo de castigos divinos.

Só aos 23 anos descobri realmente Deus. Antes acreditava Nele, mas não sabia quase nada de nada sobre Deus, religiões, a mensagem de Jesus Cristo, etc. Não estou a falar como alguém que sempre viveu imbuída nesta tradição de ter uma religião e adorar a Deus. Não! Aliás, questionei tudo e mais alguma coisa. Só acreditava em Deus. Mas, de resto, questionei a bíblia, a religião, enfim... praticamente tudo. E depois de muita busca e dúvida, percebi que o acreditar é amar. Acreditar em Deus é amá-Lo com liberdade. O Seu Caminho só nos leva ao Bem. E Ele só nos pede aquilo que conseguimos dar. Nunca nos pede impossíveis.

Se calhar está na altura de se olhar para quem crê de maneira difrente. E os que crêem de transmitirem mais o Amor e a Misericórdia de Deus.

10 comentários:

Doce Deleite disse...

Questionamentos fazem parte da nossa caminhada. O que importa é que discubramos aquilo que pretendemos quando questionamos.

Deus é amor, é bondoso e compassivo e nos ama incondicionalmente, independente de religiões.

Abraços fraterno.

Alessandro disse...

Maria João,
Penso muito nisso, é comum hoje acreditarmos nas coisas certas pelos motivos errados, somos quase que massivamente preparados para engolirmos conceitos pré-fabricados, e acabamos perdendo o sendo crítico, um bom exemplo é a idéia vigente de liberdade, eu estou preparando um texto que quando estiver maduro vou postar no Apologeta sobre o tema, liberdade é uma palavra/idéia que tem sido muito usada, como causa e objetivo do homem "moderno", mas se começarmos a pensar num contexto amplo, perceberemos que "ser livre" não é algo tão bom assim, alias, a liberdade corrompe, como podemos perceber nestes filmes de ficção que exploram a idéia da invisibilidade, que seria uma espécie de liberdade completa das consequencias de seus atos, o sujeito que adquire esta suposta liberdade, acaba por tornar-se um antagonismo completo ao modelo que cristo nos deixou.

Um Abraço em Cristo.

Anónimo disse...

Olá Maria João é a 1ª vez que visito o teu Blog fiquei sensibilizado com a lucidez com que transmites o que sentes é pouco usual encontrar jovens que reflictam sobre temas desta natureza. Deus te abençoe pois hoje a tua reflexão fez-me pensar na razão da minha opção por Cristo.
Em Cristo teu Irmão.

J disse...

Maria João,

Já tive várias discussões sobre Deus, e muitos me dizem que acreditar é preencher o vazio da nossa vida o receiod a nossa morte, mas que saida tão facil, é mais facil arranjar desculpas para a sua existência que nos perturba do que deixá-Lo vir ao nosso encontro.

Gostei muito do seu post, realmente é preciso amá-Lo mesmo gostava tanto de ser capaz de o fazer como Ele faz comigo, nunca virando as costas.

Um grande beijinho em Cristo

Laurie disse...

Você sabia que 20 de março é o dia do blogueiro?

Aqui neste link tem umas gifs muito fofas em homenagem a esse dia.
http://br.geocities.com/secretgirl20000/diablogueiros.htm

André Alves Correia disse...

Olá Maria João,

Leio o seu post como um "reflexo" do Evangelho de hoje, na "conversa" do escriba com o Senhor. Antes de tudo e acima de tudo está o Amor, esse Amor que é agape e eros, oblativo e apaixonado, doado e querido, como o Papa tão bem explicou na sua mensagem quaresmal para o corrente ano.

Que nós cristãos nos lembremos sempre desta Verdade, e que o Espírito do Senhor nos ilumine para passar a mensagem.

gota de chuva disse...

Se "amar", de que hei-de ter "medo"? :)

elsa nyny disse...

Olá Linda!!!

Mas há muitos ditos Cristãos, que também têm um medo terrivel...Deus é amor, Misericórdia...e é isso que dizes...se apenas amamrmos...muda tudo!

Gostei muito!

beijinhos pa ti!

joaquim disse...

Maria João
Gostei muito deste texto.
Eu ainda sou do tempo do Deus "castigador", por isso vivo agora intensamente o verdadeiro Deus, o Deus do Amor.
Uma das maravilhas de Deus foi ter-nos criado em liberdade.
Só um Deus que ama a Sua criação, lhe pode dar a liberdade como Deus nos deu de sermos aquilo que quisermos, até de O renegarmos.
Eu prefiro viver a liberdade que Ele me deu no Seu amor, que é onde verdadeiramente mo sinto livre.
Abraço em Cristo

silvino disse...

«está na altura de se olhar para quem crê de maneira difrente.»

ena pá, acertaste msmo nas palavras .. é esse é o meu desafio pessoal enquanto catequista (: