segunda-feira, abril 09, 2007

Obrigado, Jesus, pela Páscoa que me deste!

Foi a melhor Páscoa da minha vida. Fui até Vila Nova de Famalicão passar esta grande festa cristã com os missionários combonianos na Páscoa Jovem. De quinta a domingo de manhã festejámos a Paixão, a Morte e a Ressurreição de Jesus num ambiente de família, com as mais variadas pronúncias, com muita alegria, oração, meditação, descoberta e, acima de tudo, com a presença de Deus.


Foi uma experiência maravilhosa. Senti mesmo que Jesus gostava da maneira como O estava a louvar. Senti que Ele estava realmente presente no meio de todos nós que deixámos a família, os compromissos habituais da nossa paróquia, para estarmos ali a descobrir melhor o que é a Paixão, Morte e Ressurreição de Jesus Cristo. Todos aqueles dias foram muito intensos. Todos nós participamos na organização de cada celebração, o que permitiu que tivéssemos uma noção melhor do que é realmente a Páscoa.


De quinta a domingo de manhã vivemos cada momento de forma muito especial, pensando e reflectindo na entrega total de Jesus pela Sua Humanidade. Não esqueçamos que, apesar da Sua condição divina, era homem. Sofreu com a agonia no horto, com as flagelações, com a crucificação, mas principalmente, com a indiferença e a maldade da Sua Humanidade. Carregou a cruz do mundo inteiro, sem se importar com a nossa escolha: amá-Lo, odiá-Lo ou sermos indiferentes.


Na quinta-feira celebrámos a Ceia Hebraica. Foi muito bonito. Geralmente, pensamos na Páscoa a partir da entrega de Jesus, mas não nos podemos esquecer que a maior celebração cristã começou no tempo de Moisés, quando Deus pediu ao Seu povo que celebrasse a sua saída do Egipto. De seguida foi o Lava-Pés, aquela grande missa onde nos lembramos no maior mandamento de Jesus: "amar-nos uns aos outros". É bom reflectirmos sobre a nossa maneira de estar perante os outros. Será que também conseguimos lavar os pés, sem nos importarmos que se trata de um acto considerado indigno pela sociedade, como acontecia naquela época?


Na sexta-feira, o que mais me marcou foi o Elogio do Morto, quando perante a cruz reflectimos sobre a nossa vida e o papel que Jesus tem nela, oferecendo-lhe uma oração. A cruz é sempre vista como morte e sofrimento, mas, se pensarmos bem, a cruz traz também grandes lições e grandes descobertas. Jesus , com a sua cruz, trouxe-nos a salvação e o amor. É nós, como é que vivemos as nossas cruzes? Será que conseguimos ver as lições que elas nos trazem? Será que conseguimos ver a luz que está ao fundo do túnel? Será que sabemos esperar por essa luz?

A Via-Sacra também foi muito bonita. Foi feita por todos nós e fez-nos reflectir sobre a situação dos nossos irmãos nos vários continentes onde são tantas vezes alvo de grandes martírios e sofrimentos.


No final, foi a Festa. Nunca senti uma alegria tão grande quando chegou a meia-noite e o padre nos diz, com um sorriso:"É Páscoa!". Nessa altura é inevitável não festejarmos, não louvarmos o Senhor! Fazemos tantas festas por tudo e por nada e quando chega a altura de relembrarmos o sacrifício da cruz que nos trouxe a salvação, não fazemos uma grande festa...


Enfim, foi uma experiência incrível. Agora, depois das celebrações, não esqueçamos a Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo. Não esqueçamos que, mesmo numa cruz, há uma luz. Não é fácil, mas com ajuda do Pai conseguimos. Força!

4 comentários:

Pescador disse...

A nossa cruz fica mais leve com Deus ao nosso lado. Tal como Cristo soube sempre que Deus Pai estava sempre ao Seu lado. É preciso muita fé, coragem e determinação, para sabermos levar esta cruz até ao fim.

Abraços!

sedente disse...

1 abrç fraterno em Cristo Ressuscitado.

Doce Deleite disse...

Fico feliz por você ter vivenciado com tanta intensidade, a Semana Santa.

Feliz Páscoa!

Cristo ressuscitou, Aleluia!

Anónimo disse...

Podia adicionar o meu blog? http://shema.wordpress.com/