terça-feira, julho 13, 2010

Cristo também anda de autocarro ....

Fala-se muitas vezes de sermos o Rosto de Cristo no nosso dia-a-dia. Há situações em que sabemos bem como podemos ser o Seu Rosto. Mas há outras que nos passam muitas vezes ao lado. Por exemplo, numa viagem de autocarro. Podemos orar, dar o lugar, não nos metermos em confusão … Mas, em silêncio, como podemos mostrar Cristo aos outros através de gestos?

Hoje de manhã apanhei o autocarro, como habitual, para ir para o trabalho. Entrei e, como não havia lugar, encostei-me perto da porta. Trazia comigo a Liturgia Diária (as leituras da Bíblia lidas na Missa de cada dia, para quem não conhece). Não a abri, porque estava a terminar o terço da Misericórdia. Sem reparar, a capa da Liturgia Diária estava virada para a frente.

Há uma senhora que me fala. Na altura não percebi o que me dizia, por causa do barulho. Pensei que fosse alguém que já tivesse conhecido e de quem não me lembrasse. Conheço tantas pessoas … E a senhora continuou a falar:”Esse livro é muito bom. É católico, não é?” A senhora tinha entendido que se tratava de algo sobre a Missa e daí dizer que era muito bom. E continuou:”Pois! Essa cruz que a menina traz ao peito (tenho uma cruz de madeira que marca a minha volta à Casa do Pai) … Ando tão afastada da Igreja. Tenho de me confessar e de ir à Missa. Mas o meu pecado é a preguiça … Chego a entrar na Igreja, mas começo a chorar e não consigo lá estar o tempo todo …”.

Percebi que a senhora tinha problemas. E não devem ser nada fáceis. Disse-lhe que devia continuar a rezar e que começasse a ir à Missa sem pensar se vai conseguir continuar a ir. Ir e pedir a ajuda de Cristo. Falei-lhe da Misericórdia de Jesus e do Seu amor e como veio para quem está doente. (Cfr. Lc 5, 31-32 )

No final agradeceu-me. A viagem foi curta, mas fez-me pensar na importância dos símbolos (quando não são utilizados como superstição) para levarmos Cristo quando não conseguimos falar ou ter qualquer acção que mostre Cristo. Fez-me também pensar como podemos ser o Rosto de Cristo em qualquer lugar, mesmo quando nem estamos a pensar em fazer nada de concreto. Fez-me pensar como, para isto, é tão importante consagramos inteiramente o nosso ser, em cada dia, a Jesus e a Maria.


Oração
Jesus, molda-me! Apesar das falhas e dos erros, aceita-me! Quero levar-Te aos outros, para que se sintam amados e perdoados como eu me sinto. Leva-me como Tu quiseres! E, peço-Te, pela Tua Dolorosa Paixão, olha por esta nossa irmã. Ajuda-a a ultrapassar a preguiça e a angústia que sente. Olha por ela, por todos os seus e por quem também sente vontade de voltar à Tua Morada. Mãe, cobre-nos com o Teu santo Manto! Amén

2 comentários:

Fa menor disse...

Fizeste-me lembrar desta história que recebi há dias por e-mail:

"Num frio dia de Dezembro, alguns anos atrás, um rapazinho de cerca de 10 anos, descalço, estava em pé em frente a uma loja de sapatos, olhando a montra e tremendo de frio.
Uma senhora aproximou-se do rapaz e disse:
- Você está com pensamento tão profundo, a olhar essa montra!
- Eu estava pedindo a Deus para me dar um par de sapatos - respondeu o garoto...
A senhora tomou-o pela mão, entrou na loja e pediu ao empregado para dar meia duzia de pares de meias ao menino. Ela também perguntou se poderia conseguir-lhe uma bacia com água e uma toalha. O empregado atendeu-a rapidamente e ela levou o menino para a parte detrás da loja e, ajoelhando-se lavou os seus pés pequenos e secou-os com a toalha.
Nesse meio tempo, o empregado havia trazido as meias. Ela calçou-as nos pés do garoto e também comprou-lhe um par de sapatos.
Depois entregou-lhe os outros pares de meias e carinhosamente disse-lhe:
- Estás mais confortável agora.
Como ela se virou para ir embora, o menino segurou-lhe na mão, olhou o seu rosto com lágrimas nos olhos e perguntou:
- Você é a mulher de Deus?"

Devemos, com efeito, ser rosto, mão, mulher de Deus para os outros.

Não nos descuidemos dessa tarefa.

Beijinhos

Canela disse...

Bom! ~Vinha agradecer tão bonita partilha, mas agora agradeço 2x, a tua e a da Fa.

Glória a DEUS!

Rezemos por essa irmã e por todos os outros que têm vontade, mas cujas forças lhes faltam.

Bonito testemunho que deste, Maria Joao.

Beijinho fraterno