domingo, outubro 18, 2009

O testemunho de um missionário no Chade

No Dia Mundial das Missões deixo-vos este testemunho de um amigo que, apesar de novo, já me ensinou muito.

Já estamos no mês de Outubro! Um ano no Chade! Como passou rápido, como me
sinto ainda tão pequenino diante da missão que o Senhor me confia! São tantos os desafios, são tantos os sinais de esperança e de beleza deste povo... mas também muitos os "gritos" de sofrimento! Há alguns dias fui visitar um dos nossos catequistas a Besakõya. Apercebi-me que havia um ambiente de luto na sua propriedade. Depois das saudações iniciais a cada uma das pessoas assentadas em esteiras... o catequista deixa sair estas palavras que me chocam e provocam:

"Mon Père, nous sommes en train d'enterrer nos enfants comme on enterre le maïs" - "Padre estamos a enterrar as nossas crianças como se enterra o milho".

A expressão é demasiado forte mas manifesta a dura realidade da mortalidade infantil, que a nível oficial é de 20%, mas que na realidade atinge, em muitas famílias, os 50%. Em três dias esta família perdeu 3 das suas crianças (netos). As causas são variadas: mal nutrição, paludismo, anemia... mas mais que uma análise "fria da realidade", mesmo se importante, fica a
interpelação humana e a questão do valor destas vidas ainda tão frágeis ... lançadas prematuramente como sementes à terra! E são tantas! São tantas as histórias de vidas tão breves, com tantas páginas que ficam "definitivamente" em branco e a maior parte das vezes por tão pouco! E portanto, também elas tinham direito à vida e à vida em plenitude.

O Santo Padre na sua mensagem para o dia mundial das missões que se celebra hoje diz: "A Igreja não age para estender o seu poder, ou para afirmar a sua dominação, mas para levar a todos Cristo, Salvação do Mundo. Nós não pedimos nada mais que de nos meter ao serviço da humanidade e especialmente daquela que sofre mais, e que é a mais marginalizada."

Cada um de vós pela vossa presença, sensibilidade e amizade pertence a esta família missionária que continua este serviço à humanidade que nas periferias do nosso mundo, sob o risco do esquecimento, luta corajosamente pela Vida.

Que o Deus desta Vida sagrada nos mostre sempre o Caminho e pelo seu Espírito nos fortifique, abençoe e proteja nesta missão.


Um abraço com amizade

P. João Costa (missionário comboniano)

6 comentários:

joaquim disse...

Vamos nós vivendo o nosso dia a dia nesta Europa "descristianizada", queixando-nos de tudo e de nada mas em que o indispensável nunca nos falta!

Faz impressão perceber que o ditado "longe da vista longe do coração" se torna realidade neste testemunho que nos é dado.

Faz impressão vivermos por aqui atemorizados com uma possivel ameaça de uma gripe A que poderia matar milhares, (o que não se confirma), quando essa realidade da morte de milhares é um afcto diário em África pelas mais diversas razões!

E nós dormimos, (e eu durmo), descansados como se não fosse nada connosco!

Que humanidade é esta, que Deus criou para o amor e que vive afinal no egoísmo?

Hoje talvez não durma tão descansado, mas peço ao Senhor que me inquiete e não me deixe descansar numa vida de facilidades.

Beijos amigos em Cristo

LUAR DE SOL disse...

Missão! Quanto dificil é pensar na realidade desta palavra, e mais dificil ainda pô-la em acção. Deus vê os que o são: os missionarios, mas vê e de que forma, os que dispensam tudo, partem e vão em auxilio. "VAI VENDE TUDO O QUE TENS, DA AOS POBRES OS TENS BENS E SEGUE-ME" Dificil de por em acção tal ordem , mas de certeza muito compensador.

Bj de amizade em Cristo e Maria

Ailime disse...

A missão. Ir ao encontro dos que ainda estão pior do que nós.
Nunca mais vou esquecer o testemunho de um padre missionário que passou na minha paróquia há cerca de seis anos mais ou menos e ao dar o seu testemunho na homilia disse: "Lá (não me recordo bem do nome do país africano), começámos por ensinar a cultivar a terra, a colher os produtos agrícolas....a confeccionar as refeições, porque ninguém pode ser evangelizado se estiver de estômago vazio"...Nunca tinha pensado nisto.
E a missão também é isto...
Um beijinho.

Fa menor disse...

Há realidades dolorosas que nos escapam, que nos passam ao lado, como se fossem invisíveis.
Os nossos olhos, melhor, os nossos sentidos por vezes preferem fechar-se para não absorver aquilo que nos pode (des)inquietar.
Que Deus dê coragem a quem trabalha em terra dura de missão, e a todos a generosidade de coração.

Beijos em Cristo.

Marlene Maravilha disse...

Quando vejo posts como este, sinto-me verdadeiramente um ser inoperante, para nao falar coisa pior. Gosto de missoes, contribuo, intercedo, mas isto ainda é muito pouco! Aliás, nao é nada.
Com certeza uno-me ao Joaquim no seu comentário:"E nós dormimos, (e, eu durmo), descansados como se nao fosse nada conosco."
Que Deus também venha em nosso auxilio, porque pecamos.
Abracos

Mari disse...

OI amiga, que saudade de vc!
Desculpa agora minha falta de tempo, ando trabalhando como nunca, mas somente tenho tido tempo para postar....e não tenho conseguido visitar os amigos como gostaria,mas estão no meu coração.

Um dia li que o mal entrou pelo mundo através do homem e será pelo homem que terá que sair. Deus pode intervir, mas não o faz, porque ainda, acredito eu, tem esperanças no homem neste agir.

Que possamos rezar mais pelo mundo com pureza de alma, tenho certeza que Deus nos ouve, sempre. beijos com gratidão, mari!!!