terça-feira, janeiro 08, 2008

Mesmo com fome, posso dar ... Amor

Aqui fica uma história que se passou com Madre Teresa de Calcutá e que dá que pensar...

Certa noite, um homem veio a minha casa e disse-me: "Há uma família com oito crianças. Não comem há dias." Peguei em comida e fui até lá. Quando cheguei junto dessa família,vi os rostos das criancinhas desfigurados pela fome. Não havia desgosto nem tristeza nos seus rostos, apenas o profundo sofrimento da fome. Entreguei o arroz à mãe. Ela dividiu-o em duas partes e saiu, levando uma das metades. Quando voltou, perguntei-lhe: "Onde foi?". Deu-me esta simples resposta: "A casa dos meus vizinhos; eles também têm fome!"

Não fiquei surpreendida por ela ter dado - os pobres são realmente muito generosos. Fiquei surpreendida por ela saber que eles tinham fome. Por via de regra, quando estamos a sofrer, focamo-nos apenas em nós próprios, não temos tempo para os outros.

In "Não Há Maior Amor", pág 47, Editora Colecção Vida e Cultura

5 comentários:

joaquim disse...

Foi uma das coisas que fui aprendendo na minha nova vida:
rezar por todos aqueles que têm problemas iguais aos meus.
A história também nos leva a pensar que são muitas vezes os que menos têm, que mais dão!

Abraço amigo em Cristo

silvino disse...

sao realidades transformadoras. e ela conhecia-as de perto. ou melhor, do lado de dentro.

obrigado pela partilha :)

Paulo disse...

Realidades mesmo ao nosso lado, mas "tentamos" não ver e não ajudar, aliás, os pobres verdadeiros não se conhecem, apenas conhecemos, a meu ver, os pobres de espirito.

Paulo Costa disse...

Belo, puro, simples e autêntico gesto de amor e generosidade.
Abraço fraterno!

Laurie Marie disse...

A maioria dos pobres é sempre generosa.